Breve exercício sobre o amanhecer

Hoje, quando ele saiu de casa, os faróis dos carros ainda estavam acesos, e as luzes das ruas teimavam.

Hoje, quando ele saiu de casa, a manhã fosca ainda se confundia com a madrugada, e no vaivém miúdo de gente brotando nas calçadas era possível adivinhar quem chegava e quem partia.

Hoje, quando ele saiu de casa, as crianças ainda não povoavam as ruas com seus uniformes escolares e seu brilho de futuro nos olhos.

Os problemas da cidade ainda pareciam os de ontem, e as dores do mundo, também.

Hoje, quando saiu de casa, uma atmosfera de passado envolvia todas as pessoas, sobretudo ele mesmo.

O mar batia mais adiante, no Aterro, cuspindo de volta na areia suja do dia mal nascido o lixo da véspera.

Hoje, quando saiu de casa, um sentimento esfarrapado o assombrava como fantasma, e seu coração triste desde ontem clamava por um raio de sol.

Hoje, quando ele saiu de casa, a esperança resolveu não ir junto.

Anúncios

2 comentários sobre “Breve exercício sobre o amanhecer

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s