O jornalista Aziz e outros jornalistas

Li em algum lugar que quarta-feira, 1° de junho, foi o Dia da Imprensa. Em 30 anos de jornalismo, confesso que nunca dei muita bola pra esta data, escolhida por ser a da fundação do primeiro jornal brasileiro de circulação diária.

Não é o mais antigo nas bancas. Esse é o “Diário de Pernambuco”, fundado em 1825 e aí até hoje, que bom.

O “Diário do Rio de Janeiro”, o primeiro, começou a circular em 1° de junho de 1821. Criado por Zeferino Vítor Meireles, funcionário da Imprensa Régia, era uma concessão do príncipe regente. Apesar disso, consta que manteve linha editorial favorável à independência política do Brasil até desaparecer, em 1878.

Desde que pisei pela primeira vez numa redação de jornal, poucas vezes me lembrei do Dia da Imprensa, embora sempre houvesse quem me recordasse dele. Em geral, assessorias de comunicação, que enviavam brindes miúdos ou mensagens de “parabéns”.

Ou mesmo um parente ou um amigo, depois de ouvir uma nota lida no rádio.

Desta vez, o Dia da Imprensa passou, e eu nem soube. Talvez por estar ausente do jornalismo diário. Talvez por estar fora do alcance das pequenas bajulações e dos seus interesses embutidos.

Mas suspeito, com algum desapontamento, que a razão do esquecimento tenha sido outra. Talvez tenha sido o momento ruim da nossa imprensa.

Por tudo que tem publicado, ou deixado de publicar, o jornalismo brasileiro não reúne, ultimamente, muitas razões pra festas.

No andar de cima das redações, a preocupação é com a alegada queda dos lucros. Fala-se no mercado que o faturamento do negócio jornal e revista despencou 11,6% entre 2013 e 2014. Foi quando a informação gratuita lida nos celulares teria começado a dizimar com mais intensidade o hábito da leitura de notícias no papel.

Sobretudo, entre os mais jovens – e a formação de novos leitores segue seu curso pelas redes sociais, onde tudo se sabe, onde tudo se diz, onde sobre qualquer coisa se opina.

É no andar de baixo das redações, no entanto, que as preocupações parecem doer mais fundo. A maneira como são veiculadas as informações sobre esta crise imensa que engole o Brasil constrange uma enorme parcela dos jornalistas.

Digo de coração, porque é a minha percepção. Pode estar errada, mas é a minha percepção.

A esta crise, digamos, “qualitativa”, soma-se uma outra, “quantitativa”, que também castiga a imprensa. Nos últimos oito anos, se a memória não falha, onze jornais sucumbiram no país ao avanço da internet.

Deixaram de circular “Tribuna da Imprensa”, “Gazeta Mercantil”, “Jornal do Brasil”, “Jornal da Tarde”, “O Estado do Paraná”, “O Sul”, “Diário do Povo”, “Diário do Comércio”, “Jornal da Paraíba”, “Brasil Econômico” e “Jornal do Commercio” – os três últimos, ainda há pouco, neste 2016.

Nas últimas semanas, “O Dia”, do Rio, controlado pelo grupo português Ejesa, demitiu uma leva de profissionais de muita competência. Um deles, Aziz Filho, seu diretor de redação.

Aziz fez no “O Dia” um bom trabalho. Saiu aplaudido da redação ao se despedir dos colegas. Uma cena rara. Já testemunhei algumas despedidas. A minha própria, entre elas. Sei que é.

Eu já devia ter escrito aqui sobre o Aziz, com quem tive a sorte de trabalhar no velho JB e também no “O Dia”, em outro tempo. Porque, falando dele, falo de muitos jornalistas. De mim também.

Neste momento de tantos questionamentos ao comportamento da imprensa no Brasil, feitos inclusive por gente lá de fora, suponho que a razão dos aplausos recebidos pelo Aziz, em sua despedida, tenha sido seu empenho por manter o equilíbrio editorial do “O Dia” nestes dias difíceis.

A grande imprensa passa por um tempo grave. É o que penso. Com serenidade, é o que penso.

Um amigo não jornalista me perguntou por que não encontrou no “O Globo”, principal jornal do Rio, qualquer linha sobre a presença de Dilma na cidade, quinta-feira passada, 2 de junho, no ato “Marcha das Mulheres em Defesa da Democracia”.

Eu respondi:

– Não sei.

Mas, no fundo, eu sei, sim. Uma massa enorme de gente tem deixado de consumir jornais de papel, e não é não apenas por causa da internet. Faz isso também porque não encontra neles as notícias que gostaria de ler.

Ou as encontra com abordagens que a aborrece.

No mesmo dia da “Marcha das Mulheres”, por exemplo, a principal notícia sobre a presidente foi o suposto pagamento de seu cabeleireiro com dinheiro sujo. Dilma negou, disse ter provas e prometeu processar quem veiculou a denúncia.

Notícias contra Dilma têm mais privilégios na grande mídia do que seus contrapontos. Não é preciso gostar dela pra se perceber isso.

Os reais motivos do pedido de impedimento da presidente – as tais “pedaladas fiscais” – só tiveram destaque na grande mídia nos momentos finais da consumação do seu afastamento. Até ali, só se destacava a corrupção apurada pela Operação Lava-Jato, como se esta fosse a razão legal do frenesi pelo impeachment.

Dilma não é acusada de qualquer gesto ilícito nas papeladas do juiz Sérgio Moro. O nome do seu cabeleireiro ou o estilo do seu penteado, pelo que se sabe, não estão no processo.

Algo está errado quando uma presidente afastada vem ao Rio no auge da crise, participa de uma manifestação com milhares de mulheres nas ruas do Centro de uma das capitais mais celebradas do mundo, e nenhuma linha sai no principal jornal desta cidade.

Esta autocrítica será feita um dia. Tenho certeza. Será sim.

As faculdades de Comunicação ensinam que o jornalismo é feito de fatos. Opiniões, salvo exceção, cabem em artigos e editoriais.

Os adjetivos, se mal empregados, assim eu aprendi, são os piores inimigos da notícia.

E o mais grave dos adjetivos, acredito, é o não dito, mas que o silêncio, na sua contundência, revela.

Anúncios

14 comentários sobre “O jornalista Aziz e outros jornalistas

  1. Total solidariedade, bravo Marceu. O cabeleireiro de Dilma tem mais importância do que uma suíte mínima sobre as bandalheiras da família de FHC que continua com suas meia-páginas garantidas na lavagem cerebral que opera sobre o senso comum imbecilizado. Sinto muito pelo Aziz, cuja avaliação compartilho com vc. E lamento pelos “coleguinhas” que se prestam a fazer o jogo sujo do patronato reacionário, buscando “investigativas” de um lado só, ou “comentando” os aspectos “positivos” do golpe do Usurpador.

    Curtido por 2 pessoas

  2. Um papa, que para qualquer editor salva a capa de um fim de semana chocho, dizer, em encontro com bispos da AL, que ocorre por aqui “um golpe branco”, e não ler/ver/ouvir isso em nenhuma mídia grandona, empresarial, oligárquica, ou que nome se queira dar, é o retrato do que ocorre por aqui. Isso é um exemplo. Certamente, há (muitos) outros …

    Curtido por 2 pessoas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s