Sobre o fim que vem depois do fim

Eu tenho, no pequeno quintal da minha casa, uma planta que comprei em janeiro de 2014 na serra de Nova Friburgo. Nunca soube o nome dela. Não me ocorreu perguntar a quem me vendeu – e, se o vendedor me disse, eu não registrei, pro meu desconforto e pro meu arrependimento tanto tempo depois.

Nunca soube até hoje, quando, movido por uma necessidade difícil de explicar, fiz uma trabalhosa pesquisa de imagens na internet e descobri que minha plantinha se chama confete. Seu nome científico é Hypoestes phyllostachya.

Tão carregada de significado a minha plantinha. É só mais uma entre 20 e tantas que venho acrescentando em vasos no meu quintal, e que rego dia sim, dia não. Ou, às vezes, se faz muito calor, rego dia sim, dia também.

É só mais uma, mas tão única no seu significado.

Minha plantinha foi comprada numa viagem feliz, num tempo particularmente feliz, e tenho certeza de que ela – na verdade, ele, o meu confete – foi muito feliz comigo também.

Meu confete floresceu algumas vezes. Suas flores roxas, bem miúdas, já enfeitaram minhas manhãs e me fizeram companhia nas madrugadas em que, deste mesmo quintal, do alto da ladeira onde vivo, olho a cidade acesa lá em baixo, tão longe e tão perto, com seus mistérios e seus convites.

Fomos felizes todo esse tempo, mas, há alguns dias, comecei a perceber que minha plantinha estava morrendo. 

Por ser de uma espécie que adora clima frio e úmido, não muito raro, costumava murchar as folhas pra me dizer que queria água. Regada, recobrava a vida e espreguiçava as folhas verdes com pintas cor-de-rosa – e assim avisava que a felicidade havia voltado.

Sempre que eu viajava, minha preocupação era com ela. Se a ausência fosse longa, deixava a chave de casa com alguém, pra que a regasse. As outras plantas do quintal poderiam resistir a até uma semana sem água. Ela, não. No verão, se não fosse aguada, mal podia conservar o viço por um dia.

Nos últimos tempos, apesar deste frio esquisito no Rio, a felicidade do meu confete começou a não voltar.

As folhas foram murchando, murchando, murchando, muitas amareleceram e caíram, até que, na manhã deste último dia de junho, tentei um recurso derradeiro e cortei seus dois galhos já mofinos, na esperança de que voltem a crescer e a dar folhas e flores em breve.

Sem saber direito se meu gesto traria bom resultado, saí da cama bem cedo e fiz isso. A dor da tesoura decepando os dois galhos bem finos doeu em mim.

Acordei antes mesmo de o meu capim-de-Santa-Luzia florir no quintal (tão diferente do confete, capaz apenas de uma ou duas floradas por ano, o capim-de-Santa-Luzia se exibe toda manhã, com suas pétalas azuis que duram cinco, seis horas, se muito, até fenecerem à tarde, pra voltarem a florir logo depois do nascer do sol seguinte).

Desci a ladeira com minha bicicleta, pensando no destino triste da minha plantinha e nos seus significados, e me lembrei do filme “Truman”, produção espanhola-argentina estrelada pelo brilhante Ricardo Darín, a que assisti há pouco, com atraso de uns dois meses.

O longa, bonito toda vida, fala da morte sem exibir a morte. É um drama que não faz drama. Em certos momentos, até faz rir.

Eu soube que, durante as filmagens, várias vezes, o diretor catalão Cesc Gay teve de desligar a câmera porque os atores choravam fora de hora. E a intenção do filme dele não era fazer chorar, embora quase todo mundo tenha chorado ao assistir. Eu, inclusive.

Aliás, o personagem de Darín, no único momento em que chora, dá as costas pra câmera.

Julian, interpretado por Darín, é um ator argentino de teatro que vive em Madri. Desenganado, mas ainda com vigor, apesar do câncer disseminado e já sem possibilidade de cura, ele decide abandonar o tratamento pra viver com liberdade o tempo que ainda lhe resta.

A partir daí, seu calvário não é o da doença, mas o de tentar encontrar quem possa ficar com seu cachorro depois que ele morrer. O cachorro se chama Truman e conduz toda a história.

O filme não começa com Julian. Começa com Tomás (o espanhol Javier Cámara), que viaja do Canadá, onde mora há alguns anos, na esperança de convencer o amigo da vida inteira, na Espanha, a não deixar a quimioterapia.

Na Europa, os dois passam quatro dias juntos – e é só este o período abordado numa história de profundidade lancinante.

Uma história sobre a amizade, o amor, as despedidas, a solidão, o arbítrio que todos deveríamos ter na hora da morte, e, principalmente, sobre o significado das pequenas coisas e dos pequenos gestos, tantas vezes considerados sem valor aos olhos apressados da humanidade.

Eu li que, na definição de Darín, “Truman” é um filme no qual “o não dito tem uma importância imensa”. Talvez mais do que o dito. Ele tem razão.

Quando Julian, finalmente, entrega seu cachorro ao novo dono, e faz isso de uma forma surpreendente, o que fica na cabeça da gente, por exemplo, não é aquela cena tocante. É o que o longa não mostra depois.

É como aquele homem tão apegado a seu cachorro vai poder sobreviver seus últimos dias sem Truman, que não dá um latido no filme.

Curiosamente, Troilo, nome do cachorro na vida real, morreria poucos meses depois das filmagens.

Pensei no filme por compreender que, como na agonia da minha plantinha, com todos os seus significados desimportantes na percepção da maioria, o fim de verdade de todas as histórias vem sempre depois do fim estabelecido.

O fim de verdade só chega quando o realizamos, e jamais coincide com o momento em que o desenlace foi decretado.

O fim de verdade vem mais adiante, já depois dos créditos do filme da perda, e geralmente o vivemos sozinhos. Vem depois até mesmo do luto aparente, quando ninguém já nos consola. Vem no silêncio, no “não dito” citado por Darín em sua definição de “Truman”.

Antes de se consumar, o fim dá seus avisos. Todos percebem. O fim de verdade também dá os seus. Mas só nós percebemos.

Com meu confete, tão vistoso até outro dia, não morre o significado que me prendia a ele. Foi o que compreendi ao me lembrar do comovente filme de Cesc Gay e associá-lo ao martírio sem importância da minha plantinha.

Os cachorros, as pessoas, os ciclos da vida, os amores, tudo acaba um dia. Mas a lembrança dos seus significados permanece viva por bom tempo, ainda doendo, à espera do fim de verdade.

Às vezes, a lembrança desses significados continua viva numa bola de borracha. Às vezes, numa fotografia. Às vezes, numa planta.

*     *    *    *

Eduardo Galeano, o genial uruguaio que morreu em 2015, mas não morrerá nunca, escreveu assim sobre a finitude no seu belo “Livro dos abraços”: “Quando eu já não estiver, o vento estará, continuará estando.”

 

Anúncios

57 comentários sobre “Sobre o fim que vem depois do fim

      1. Oi Marceu, tudo bom? Sou Maria Amélia, tia do Kiko ( digo isso porque não sei se vc lembra de mim!), A história do seu confete, particularmente, me tocou muito. Há cerca de uns trinta anos, ganhei em um vasinho minúsculo uma mudinha da ” árvore da felicidade”.Plantei-a em um vaso maior e ela floresceu e desde então vem me acompanhando. Todos os dias olho para ela, hoje um formidável arbusto, conversamos com a mesma intimidade daqueles que convivem comigo por uma vida inteira. Temos nos acompanhado e atravessamos as estações de cada ano, sempre respeitosas, sempre leais uma a outra. Imagine que há mais ou menos uns três anos atrás ela Tb começou a tombar . Senti o mesmo que vc, como se tivessem arrancando uma parte física minha. Doeu muito! Chamei alguns jardineiros para tentar salvá-la, tudo em vão . Qdo já havia perdido as esperanças, indicaram um biólogo , que, felizmente, chegou a tempo de salvá-la. Depois dessa experiência, confesso que temo perdê-la, como se teme a morte de um companheiro , de um amigo, de um parente.Resolvi escrever para lhe dizer, que as plantas , assim como os animais e as pessoas são partes integrantes das nossas vidas e, que bom quando temos ainda olhos para ver , coração para sentir e perceber tudo isso enquanto ainda estão vivos . Gde Bj Maria Amélia

        Curtido por 1 pessoa

  1. Reminiscências… de viagens, amigos, uma melodia, um sabor, um amor, que podem ser revisitados apenas ao tocarmos uma planta e sentir seu cheiro. Eu tenho apreço por minhas plantas, cada uma têm uma história a contar. Tenho várias espécies, o Ipê amarelo, a palmeira, o pé de nêspera, acerola, meu hibisco lindo, minhas suculentas, minha Eugênia… Gostei da forma leve de sua escrita, o olhar com o coração, uma reflexão delicada. Vou buscar vê o filme.

    Curtido por 1 pessoa

  2. Marceu muito obrigado por me propiciar um uma leitura desta grandeza, desta qualidade!
    Por mais que eu me esforce não conseguirei organizar as palavras para expressar o impacto do seu texto, da sua leveza, deste encanto! Parabéns pela sua arte!
    Vou ter que ver Truman!!!
    Espero conseguir ler outros textos seus!!!
    Saudações

    Curtido por 1 pessoa

  3. Maravilhoso seu texto… Todos temos o nosso “Confete”, seja em forma de flor, cachorrinho, gatinho, pessoas, etc… Na verdade precisamos deles mais do que precisam de nós. Aposto que cada um que leu seu texto, se colocou no seu lugar, substituindo Confete pelo seus apegos. Obrigada por palavras tão aconchegantes logo de manhã.

    Curtido por 1 pessoa

  4. Marceu…pensei tbm no amor do pequeno Príncipe por sua rosa. Amor esse q a tornou única pra ele. Feito seu pezinho de confete e a história de Turmam.. Estamos carente de sensibilidade e de templo para contemplar as plantas , a vida …Adorei o texto. Depois q termina…tudo fica mais intenso …pois nasce a lembrança dos bons momentos ou das muitas floracoes que quem partiu nos ofereceu.

    Curtido por 1 pessoa

  5. Que lindo, sensível, tocante e profundo texto. Você abordou uma realidade. O fim não é o fim, pois existe um outro fim. Qualquer pessoa ou coisa que perdemos, pensamos: acabou, se foi! Com o passar dos dias que caímos na realidade e que agora que as coisas vão se iniciar pra depois sim, findar e aí sim, encerrarmos um ciclo , ficando somente com as lembranças ou algo mais que queiramos.
    Achei belo o seu texto e viajei nele…risos…nem sei se interpretei corretamente o que você quis passar.
    Obrigada pela sensibilidade. 🙏🏻❤️

    Curtido por 1 pessoa

  6. Marceu,
    Que linda e delicada crônica!
    Conto a minha historinha com duas plantas daqui de casa:
    – A primeira veio de uma folha da cestinha de flores que meu ex-sogro (então sogro) enviou-me quando nasceu meu primeiro filho. A moça que trabalhava aqui em casa, Ana, tinha dedo verde e colocou uma folha na terra. Isso foi há 26 anos e a plantinha continua crescendo, tal como meu primogênito!
    – A segunda chegou junto com meu segundo filhote e segue bela há 23, quase 24 anos.
    Cuido das duas, que não deixo morrer de jeito algum, mesmo não sendo supersticiosa. 🙂
    Grande abraço!

    Curtido por 1 pessoa

  7. Marceu, quanta generosidade a sua nos complementar com seu pensamento maravilhoso! É claro que infelizmente terei que criticá-lo por dar tanto spoiller do filme (que fui correndo assistir depois de ler seu texto kkk) , aliás endosso tudo o que disse sobre ele! Fiquei horas procurando novamente seu texto para compartilhar pois assim que terminei de ler a bateria do celular acabou, nada é por acaso, nesse período procurando seu texto refleti, digeri, chorei… e tanta coisa aconteceu dentro de mim depois dessas duas pérolas, suas palavras e Truman!
    Obrigada

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s